Cursos

Carreiras e Relação Candidato/Vaga

Confira a seguir dados relativos à concorrência das carreiras.

 

Carreira

Relação Candidato/Vaga

 

Nota de Corte

2012

2013

2014

 

2012

2013

2014

Engenharia Civil

52,27

53,18

50,85

 

63

63

62

Engenharia Aeronáutica

24,18

27,13

28,63

 

67

66

66

Engenharia (Mecânica / Produção / Mecatrônica)

16,48

18,63

20,19

 

60

59

59

Engenharia Elétrica e de Computação

9,86

17,66

16,28

 

51

55

55

Engenharia Ambiental

16,53

16,25

15,28

 

52

50

48

Engenharia de Materiais e Manufatura

9,38

8,76

9,82

 

53

51

52

 

 

 

 

 

 

Última atualização em Quinta, 12 Dezembro 2013 13:11

Acessos: 11862

Engenharia Elétrica - Ênfase em Sistemas de Energia e Automação

 

Apresentação

 

 O Brasil, em particular, e os outros países, em geral, passam por crise de Energia permanente. A criação desta Ênfase do curso de Engenharia Elétrica veio ao encontro da necessidade, cada vez maior, de profissionais que possam atuar na área de Sistemas de Energia diferenciadamente. O Engenheiro Eletricista com formação convencional possui muitas ferramentas para atuar, também, nesta área, entretanto o profissional egresso da Ênfase em Sistemas de Energia e Automação possui conhecimentos em Automação, Sistemas Inteligentes, Qualidade de Energia e Eletrônica de Potência que lhe permitem tal atuação diferenciada.

Disciplinas

 

A estrutura do curso é caracterizada por disciplinas obrigatórias de formação plena, obrigatórias da ênfase e optativas eletivas. As primeiras fornecem ao estudante a base científica, a formação geral de engenharia, as ferramentas de análise e síntese, e a formação básica de Engenharia Elétrica. São disciplinas de matemática, física, química, computação, desenho, gerência e administração, ciências humanas e ambientais, disciplinas básicas de engenharia elétrica e eletrônica e de outras áreas de engenharia. As disciplinas obrigatórias da ênfase aprofundam os conceitos básicos de sistemas de energia elétrica complementando a formação dos alunos nesta área. O aluno irá adquirir maiores conhecimentos e detectar suas tendências visando possíveis estudos mais específicos em alguma subárea voltada a sistemas de energia elétrica. As optativas eletivas complementam a formação do estudante em assuntos de seu interesse específico. O estudante poderá fazer um grupo coerente destas disciplinas e adquirir certo grau de especialização em uma subárea da Engenharia Elétrica. No final do curso, o aluno deverá também realizar atividades de estágio e desenvolver um projeto de formatura.

Extracurricular

 

A formação do estudante universitário não se completa apenas através de suas atividades em salas de aula e estudos formais. Sua vida acadêmica é enriquecida através de atividades extra-curriculares. Desde os primeiros anos do curso, os estudantes são incentivados a participar de programas de iniciação científica, trabalhos e projetos de prestação de serviços à sociedade desenvolvidos por diversos departamentos, ou por meio da Empresa Júnior (EESC-Junior). Podem também se agregar a diversos grupos de projeto visando disputas em competições universitárias, tais como, Mini-Baja, Aero-Design, Futebol de Robôs e outros. Podem participar também de atividades culturais, artísticas e esportivas.

O profissional

 

Por possuir sólida formação em Matemática, Física e Informática e todo o conjunto básico de conhecimentos de Engenharia Elétrica, além dos conhecimentos específicos de sua ênfase, ele atuará nos sistemas de geração, transmissão, distribuição e aplicação de energia elétrica, em todos os estabelecimentos envolvidos com o assunto Energia, seja nas concessionárias de energia elétrica, seja no parque industrial, e pequenos, médios e grandes consumidores. O aspecto mais importante é que o profissional egresso desta ênfase é dotado de conhecimentos nas áreas de Automação e de Sistemas Inteligentes, que se constituem em fortes e modernas ferramentas a serem aplicadas no melhor uso da energia elétrica, desde sua geração até sua utilização final. Este profissional desenvolve projetos elétricos de modo autônomo ou ligado a empresas especializadas. Atua no planejamento, projeto, construção e administração de sistemas de energia elétrica, qualquer que seja sua amplitude.

 

Palavra do profissional

Qual é o engenheiro que o mercado procura? É o que tem boa capacidade de comunicação, trabalha em equipe, lidera, e tem disposição constante ao aprendizado; respondem os administradores, pessoal de RH, e professores de MBA. Pode ser que eles estejam mais atentos às qualificações que fazem de nós, engenheiros, profissionais perfeitos para as atividades de gerenciamento, que são nobres, e possivelmente muito mais compensatórias, financeiramente. E como fica a "velha" e boa formação técnica? Para que nós passamos tanto tempo nas aulas de cálculo, física e engenharia? Com o País iniciando um novo ciclo de crescimento, faltam profissionais de engenharia aplicada.
A meu ver, a principal qualidade do profissional de engenharia é também a mais elementar: a capacidade de transpor o conhecimento acadêmico para a prática, transformar o conhecimento em soluções técnicas de valor, gerando projetos que melhorem a qualidade de vida, a produtividade das empresas, as condições de trabalho e de segurança, sem prejudicar o meio ambiente e com princípios éticos. Precisamos de profissionais prontos para o desafio de fazer do Brasil o grande País que nossos mestres disseram que seria.

Carlos Roberto Perissini
Engenheiro Eletricista - Eletrotécnico
EESC-USP (1986)

 

[atualizado em 08-08-2012]

 

icone botao mais

 

           Homepage do curso

Última atualização em Quinta, 22 Setembro 2016 08:11

Acessos: 15037

Engenharia Elétrica - Ênfase em Eletrônica

Apresentação

O curso de Engenharia Elétrica com ênfase em Eletrônica está voltado principalmente aos estudos de sistemas e circuitos eletrônicos analógicos e digitais, assim como seus dispositivos e materiais. O curso fornece uma forte formação científica básica, bem como uma vasta formação profissional em Engenharia Elétrica que permite uma atuação bastante flexível no mercado de trabalho. No decorrer do curso, os estudos abordam sistemas e métodos de telecomunicações, automação e controle, computação, medidas e instrumentação eletro-eletrônica e processamento de sinais analógicos e digitais, fazendo com que o profissional egresso possua formação em Engenharia Elétrica/Eletrônica, com uma grande flexibilidade de atuação em diversos campos da mesma. Além de sólida conceituação em Engenharia Elétrica e dos conhecimentos específicos da ênfase, ao estudante deste curso é dada a opção de aprofundar seus estudos em sub-áreas especializadas da eletrônica, obtendo um certificado de estudos especiais. Para isso são oferecidas atualmente as sub-áreas: Instrumentação e Controle; Sistemas Digitais; Telecomunicações; e Engenharia Biomédica.

Disciplinas

A estrutura do curso é caracterizada por disciplinas obrigatórias de formação plena, obrigatórias da ênfase e optativas eletivas. As primeiras fornecem ao estudante a base científica, a formação geral de engenharia, as ferramentas de análise e síntese, e a formação básica de Engenharia Elétrica. São disciplinas de matemática, física, química, computação, desenho, ciências humanas, gerência e administração e ambientais, disciplinas básicas de engenharia elétrica e eletrônica e de outras áreas de engenharia. As disciplinas obrigatórias da ênfase aprofundam os conceitos básicos de eletrônica complementando a formação dos alunos nesta área. O aluno irá adquirir maiores conhecimentos e detectar suas tendências visando possíveis estudos mais específicos em alguma subárea da Eletrônica.

As optativas eletivas complementam a formação do estudante em assuntos de seu interesse específico. O estudante poderá fazer um grupo coerente destas disciplinas e adquirir certo grau de especialização em uma subárea da Engenharia Elétrica. No final do curso, o aluno deverá também realizar atividades de estágio e desenvolver um projeto de formatura.

Extracurricular

A formação do estudante universitário não se completa apenas através de suas atividades em salas de aula e estudos formais. Sua vida acadêmica é enriquecida através de atividades extra-curriculares. Desde os primeiros anos do curso, os estudantes são incentivados a participar de programas de iniciação científica, trabalhos e projetos de prestação de serviços à sociedade desenvolvidos por diversos departamentos, ou por meio da Empresa Júnior (EESC-Junior). Podem também se agregar a diversos grupos de projeto visando disputas em competições universitárias, tais como, Mini-Baia, Aero-Design, Futebol de Robôs e outros. Podem participar também de atividades culturais, artísticas e esportivas.

O profissional

O Engenheiro Eletricista com ênfase em Eletrônica ocupa-se principalmente com a aquisição, transmissão, processamento e utilização da informação, assim como a elaboração de sistemas, componentes, e dispositivos para aplicações médicas, industriais, residenciais e outras. Poderá dedicar-se à carreira universitária, bem como institutos de pesquisa. Poderá atuar em empresas privadas e/ou públicas participando de estudos preliminares, projeto e desenvolvimento, construção, fiscalização, ensaios, operação e manutenção de equipamentos e/ou sistemas eletro-eletrônicos. Se tiver características empreendedoras, poderá também desenvolver sua própria empresa e/ou trabalhar como consultor em sua área de especialidade. Deverá também estar preparado para atuar em administração, vendas e compras técnicas, e assumir cargos de chefia, gerência e direção de empresas e/ou órgãos públicos e privados.

Palavra do profissional

 

O engenheiro é o indivíduo com capacidade para direcionar os recursos da natureza de forma consciente para o bem estar da sociedade. Esta assertiva nunca teve uma visão tão ampla quanto atualmente. As necessidades empresariais e industriais buscam um engenheiro eclético, com capacidades múltiplas. E estas não se resumem apenas ao uso do computador ou da geração de um projeto ou simulação, limitando o espaço físico de atuação a uma sala ou escritório. O mercado necessita do indivíduo que conjugue tão bem a atividade de projeto como a de atuação em campo: um “sujar de mãos” que aumenta a experiência e dosa o senso de pragmatismo e custo de um projeto ou equipamento. É necessário também que tenha conhecimento sobre a formação de custos e incidências tributárias. O melhor projeto é aquele simples, que pode ser executado e possui custo para ser vendido. Necessárias também são as características pessoais: comprometimento, facilidade de comunicação, e capacidade para liderar pessoas, de forma firme, educada e responsável. Todas estas características apontam para um profissional eclético! E este é o engenheiro, elemento cuja propedêutica de formação permite atividade flexível, visão de conjunto e capacidade organizacional; condições imprescindíveis para o mercado de trabalho.

Prof. Dr. José Guilherme Sabe Engenheiro Eletricista – Eletrônico – EESC-USP (1981)

[atualizado em 08-08-2012]

 

icone botao mais

 

           Homepage do curso

Última atualização em Quinta, 22 Setembro 2016 08:12

Acessos: 19871

Engenharia Mecatrônica

Apresentação

 

A meta do curso é formar Engenheiros que tenham uma sólida formação básica e profissional, mas principalmente se caracterizem como DESENVOLVEDORES. Sob perfil DESENVOLVEDOR entende-se um profissional capaz de criar novos produtos e processos a partir da síntese ou da integração de diferentes tecnologias contemporâneas. Um profissional com: postura pró-ativa, confiante e criativa; habilidade para organizar, planejar e se expressar; e capacidade de liderança e trabalhar em equipe;

O perfil atende uma tendência crescente de oportunidades para profissionais autônomos, consultores e pequenos empresários. Ao mesmo tempo em que amplia as chances daqueles alunos que buscam colocações tradicionais em empresas.
A formação técnico-científica garante sólido conhecimento das inter-relações técnicas, das conexões com o meio social e com o meio ambiente. Propõe-se formar um profissional com uma sólida base em mecânica e com conhecimentos equilibrados em eletrônica e computação.


Disciplinas

 

O processo de ensino-aprendizagem da Engenharia transcende o estudo de atividades técnicas. O currículo envolve atividades que aumentam em complexidade à medida em que o curso avança. Do primeiro ao quarto semestre, as disciplinas de Matemática, Física e Química oferecem ao aluno as ferramentas básicas para a modelagem de fenômenos reais. A disciplina de Introdução á Engenharia tem como função integrar o aluno ao curso. As formações em computação e desenho técnico já constituem formas de capacitação profissionalizante. O aluno passa a conhecer e resolver problemas clássicos e de interesse profissional. Do quinto ao oitavo semestre, o aluno passa a cursar as disciplinas de formação em Mecânica, Elétrica e Computação. Do nono ao décimo semestre, as disciplinas têm a função de integrar os conhecimentos adquiridos nos semestres anteriores e apresentar novas tendências tecnológicas. O trabalho de final de curso e as atividades de estágios em empresas complementam a formação.


Extracurricular

 

Uma das principais qualidades dos cursos de Engenharia da EESC são as diferentes atividades que complementam a formação do aluno fora da sala de aula. No curso de Engenharia Mecatrônica destacam-se as seguintes atividades:

  • Iniciação Científica nos inúmeros laboratórios e departamentos da EESC bem como nos laboratórios dos Institutos da USP Campos de São Carlos
  • Projeto SENA - Automóvel robô autônomo
  • USPdroids - Grupo de Futebol de Robôs
  • Semana da Mecatrônica www.sematron.eesc.usp.br

O Centro Acadêmico (CAASO) e a Secretaria Acadêmica da Eng. Mecatrônica (SADEM) oferecem oportunidade aos alunos para ampliar suas experiências sociais e culturais.


O profissional

 

O Engenheiro Mecatrônico combina tecnologias recentes das áreas de mecânica, eletrônica e computação de diferentes maneiras: introduzindo novas tecnologias nos sistemas produtivos e melhorando a qualidade dos produtos gerados nas empresas; automatizando os processos produtivos, proporciona aumento de produtividade e competitividade para a indústria nacional e consequentemente a expansão do parque produtivo brasileiro; criando novos produtos, tem revolucionado a vida em sociedade, trazendo também as mudanças para fora das fábricas.

Máquinas fotográficas autofoco, sistemas automotivos (ABS, airbag, etc.), robôs para atividades domésticas, máquinas de lavar roupas inteligentes, AUV (robôs submarinos), UAV (aviões robôs), são exemplos desta atuação.

 

Palavra do profissional

A Engenharia Mecatrônica me proporcionou uma visão abrangente da área de exatas. No mercado de trabalho percebi que tudo está interligado: mecânica, elétrica, automação, e até mesmo infra-estrutura. Temos que ter conhecimento de diversas áreas, para encontrar a melhor solução para resolver problemas. E é isso que o curso nos possibilita.

Trata-se de uma grade curricular bastante completa, abrindo várias áreas de conhecimento que podemos desenvolver dentro do próprio curso com atividades extracurriculares, como iniciação científica. Assim ao final da graduação podemos escolher até mesmo em seguir uma carreira científica ou acadêmica, cursando mestrado e doutorado; ou irmos para o mercado de trabalho com uma ótima bagagem de conhecimento para desenvolvimento profissional.

André Luís Dias

Engenheiro de Desenvolvimento de Negócios Automation & Drives – Low Voltage Controls and Distribution Siemens Ltda.


Última atualização em Terça, 17 Julho 2012 09:01

Acessos: 24005

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica

Normas da CCP

Última atualização em Segunda, 24 Setembro 2012 13:55

Acessos: 383

EESC para você         

AlumniUSP

Mais Buscados

Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo.