Engenharia Ambiental

Apresentação

 

A estrutura proposta do curso de Engenharia Ambiental objetiva a formação de profissionais que tenham forte embasamento nas Ciências Básicas (matemática, química, física e biologia), permitindo fundamentação sólida em Ciências de Engenharia e, mais especificamente, em Ciências de Engenharia Ambiental. O objetivo a ser cumprido com essa fundamentação é a criação, geração e desenvolvimento de novas tecnologias e aplicação de tecnologias consolidadas para prevenção e controle da poluição ambiental. O Engenheiro do Ambiente estará apto a participar dos estudos de caracterização ambiental, na análise de suscetibilidades e vocações naturais do ambiente e na elaboração de estudos de impactos ambientais. A existência de profissionais com essas características é importante na implantação de qualquer modelo de desenvolvimento econômico, tanto na prevenção, quanto na minimização dos impactos que a atividade humana provoca no ambiente.

 

 

Disciplinas

 

As disciplinas do curso de Engenharia Ambiental estão divididas em: Disciplinas de Formação Básica, de Formação Profissional Geral, de Formação Profissional Específica e Eletiva. Em cada ano é oferecida uma disciplina temática. Definiu-se a temática do curso em função de seu objetivo geral e os seguintes temas foram dispostos seqüencialmente: Ecossistemas Aquáticos, Terrestres e Interfaces, Caracterização Ambiental: Bacia Hidrográfica, Impactos e Adequação Ambiental, Ações Mitigadoras de Impactos Ambientais e Gestão Ambiental. Na montagem da estrutura curricular, os temas foram transformados em disciplinas seqüencialmente dispostas ao longo do currículo, conferindo-lhe a necessária unidade. Dada a natureza multidisciplinar e disposição seqüencial na estrutura curricular, cabe à disciplina temática a integração do conteúdo programático das demais disciplinas oferecidas.

 

Disciplinas da coordenação

 

SISTEMATIZAÇÃO DE ATIVIDADES: Foco dos valores das áreas de engenharias incentivados com uma relação tutorial, de orientação e de facilitação dos docentes como "pares" de alunos com 1) estrutura pedagógica para que o aluno assimile e otimize a sua escolha vocacional, 2) planejamento estratégico que auxilie o aluno em atividades para seu Plano de Estágio e seu Trabalho de Graduação, e 3) excelência acadêmica no âmbito de competências, campos e atividades profissionais dos egressos. Valorizam-se o planejamento de encontros com profissionais, normas e resoluções vigentes, trabalhos e visitas técnicas. Aproxima-se o aluno ao Código de Ética profissional junto aos eixos do Curso (ecossistemas, bacia hidrográfica, impactos, medidas mitigadoras e gestão ambiental).

 

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: Cumprido em empresas públicas ou privadas, com carga horária mínima de 180 horas. O estágio deverá ser cumprido preferencialmente no quinto ano do curso e em conformidade com o Projeto Político Pedagógico do Curso e a Lei Nacional de Estágios vigente na data.

 

TRABALHO DE GRADUAÇÃO: Desenvolvido com atividades de pesquisa ou extensão, vinculados à Universidade ou por atividades de pesquisa aplicada em empresas públicas ou privadas, desde que intermediadas pela Universidade. Além disso, trabalhos em comunidades são aceitos como objeto do Trabalho de Graduação desde que esses trabalhos façam parte de projetos especificas desenvolvidos pela Universidade e conduzidos pelos seus docentes.

 

Extracurricular

 

• Aperfeiçoa-se a formação de futuro líder engenheiro empreendedor, convertendo teoria e prática em aplicações inovadoras e de gestão para projetos de interesse sócio-ambiental. São valores associados que expandem a missão e a visão de disciplinas temáticas, integrando-se com atividades extracurriculares.

 

• PROJETO RONDON - O programa da disciplina é aberto, conforme as áreas do Projeto Rondon, em função do projeto foco de cada ano, que é direcionado pelo Projeto Rondon. O professor responsável adapta a disciplina para critérios de engenharia ambiental e analisa o cronograma com base nos supervisores de campo, que orientam o trabalho do aluno. Os projetos focos podem estar ligados à realidade local, por meio de cooperativas de trabalho, associações de moradores, famílias, escolas e organizações não-governamentais ligadas às iniciativas públicas locais do Projeto Rondon.

 

• SEMANA DA ENGENHARIA AMBIENTAL: Evento anual auto-gerenciado por alunos do Curso, com maior oportunidade de contatos com especialistas externos, mini-cursos e empresas.

 

• SUSTENTABILIDADE, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO: espaço de incentivo para o futuro profissional empresário, líder de negócios, e gerente de empresas, com responsabilidade sócio-ambiental, reflexões e discussões sobre elementos contidos em: Lei Federal 10.973/2004, e Lei de Inovação Paulista, (Lei Complementar 1049/2008), e iniciativas de Agência USP de Inovação, Clube do Empreendedorismo, entre outros).

 

 

O profissional

 

A criação do curso de Engenharia Ambiental da EESC-USP foi motivada pela ausência no mercado de Engenheiro que atuasse na área de Tecnologia ou Gestão Ambiental com visão global da amplitude, diversidade e complexidade das relações que os diversos componentes do ambiente mantêm entre si. Essa motivação levou à proposta de um curso que formasse um Engenheiro pleno, que dominasse todos os fundamentos das técnicas para avaliação, controle e prevenção da poluição ambiental, todos os instrumentos de gestão ambiental e, além disso, que integrasse todos esses conceitos para aplicação na solução de problemas ambientais, tanto preventivos quanto corretivos. Portanto, essa nova modalidade da Engenharia visa a formação de indivíduos que consigam aliar a forte formação cientifica e tecnológica à fundamentação das ciências ambientais, resultando em um perfil de profissional com alta capacidade de solução de problemas de Engenharia relacionados aos impactos ambientais seja na prevenção, correção ou remediação.

 

Palavra do profissional

Graduei-me na primeira turma de Engenharia Ambiental EESC-USP em dezembro de 2007. Durante o último ano do curso, comecei a fazer estágio na Ajinomoto e fui efetivada, trabalhei mais 2 anos como especialista técnica no centro de desenvolvimento da empresa onde me envolvi em diversos projetos de pesquisa na área de saneamento (sistema de tratamento e secagem de lodo e sistemas de tratamento de águas residuária com tecnologia de biomassa imobilizada, sistemas combinados de MBBR e sistemas de membrana MBR), operação das estações de tratamento do grupo no Brasil e suporte na engenharia básica e detalhada de uma nova estação de tratamento utilizando tecnologia de biomassa imobilizada.

 

Atualmente, trabalho na Nalco, empresa da área química e que vem se instalando no mercado de fornecimento de equipamentos e serviços na área de saneamento. Sou engenheira de processos responsável pela concepção inicial de projeto de tratamento de água industrial ou de processo, águas residuárias e sistemas de reuso, dimensionamento básico, suporte técnico de operação e start up de estações e elaboração de propostas técnicas e comerciais para fornecimento de equipamentos para o ramo industrial.

 

Tenho, sob minha supervisão técnica, uma engenheira de processo júnior e um estagiário aos quais dou suporte nas atividades cotidianas visando o crescimento profissional de ambos.

 

A área de tecnologia de saneamento é bastante atual e promissora, contudo, faz-se necessário o constante estudo técnico e realização de cursos específicos para estar alinhada às novidades do mercado e fornecer, sempre, a melhor solução disponível para os clientes, aliando viabilidade técnica, econômica e ambiental.

 

A dinâmica profissional e o constante aprendizado decorrente de cada projeto concebido me mantêm motivada para buscar sempre o meu melhor e, com isso, buscar também o melhor das pessoas que estão no meu ambiente profissional.

 

Engenheira Ambiental Amanda Cavalhero

 

 

icone botao mais  

 

          Homepage do curso

 

EESC para você         

AlumniUSP

Mais Buscados

Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo.